Pesquisar neste blogue

sábado, 24 de dezembro de 2011

Mensagem de Esperança - Mas os Coelhos não são na Pascoa?!?...

Esta mensagem até podia ser um SMS. Poder podia, mas não era a mesma coisa. Pelo menos prá Optimus, mas neste tempo de crise e desespero, devemos agarrar-nos ao que pudermos.

Soube-se esta semana que em 2012, vai haver um orçamento retificativo. Até a minha filha de 4 anos já conhece bem o Sr. Coelho. Lá na escola quando lhe perguntaram onde ía este ano de ferias, respondeu: O Sr. Coelho não deixa!

A economia familiar quando tem que ser equilibrada, origina normalmente sempre cortes no lado das despesa. Corta-se no superfulo. Gasolina, restaurantes. Porquê na despesa
Ora tentem lá aumentar «miraculosamente» a receita. Euromilhões? Prostituição? Venda de narcóticos? Se resulta? Sim resulta, mas tem muitos riscos associados.

Como toda a gente sabe, os coelhinhos têm uns ovos generosos. O Sr. Coelho herdou uma economia falida. é verdade. Como é que decide equilibrar isto?  Aumenta-se a receita. Aumento o IVA, o IRS, as taxas moderadoras, as portagens, os transportes publicos, a electricidade e as horas de trabalho.  

Mensagem de esperança do Sr Coelho: Existe excesso de procura na economia global. Emigrem Pá!

Mensagem de esperança de D. José Policarpo: “não nos basta fazermos análises claras da crise que atravessamos, temos de estar atentos e deixar que o sofrimento dos outros nos toque o coração”. Quando isso acontece, “tornamo-nos inventivos na busca de ajuda” através da “fecundidade transformadora do amor(...) uma ordem económica que acentue o bem comum, vença os individualismos, as desigualdades chocantes, todas as formas de materialismo; que aprenda a dar prioridade aos valores do espírito e não apenas ao dinheiro”.

Reflitemos irmãos: Se este apelo á fecundidade do amor não é uma mensagem de esperança, é o quê?
Soube-se esta semana que a Igreja Católica sempre atenta ás análises claras da crise, decidiu inventivamente não aumentar o preço das Missas e demais atos liturgicos. Pessoalmente desconhecia que existia uma tabela de Honorários. Não aumentar o preço de um batismo, de um casamento ou de um funeral não será uma forma inventiva de vençer os individualismos, as desigualdades chocantes, todas as formas de materialismo e de dar prioridade aos valores do espírito e não apenas ao dinheiro?

Interrogo-me mesmo se Jesus, que tantos nesta quadra apelidam de menino, não estará neste momento indeciso entre o regozijo de tal ato abnegado de Bondade e Amor Cristão ou a fazer contas de cabeça ao dinheiro que nos parcos 33 anos que por cá andou, poderia ter amealhado...

Imagine-se respeitosamente claro, a imagem de JC em pleno sec XXI, de caderninho no bolso a perguntar ao cego: Ora deixe cá ver: Restituição da visão: €2500. (Ah e não temos acordos com seguradoras...) 

Ou quiça, nas bodas de Canaã, confrontado pela mãe com a falta de vinho no casamento, em vez de retorquir: "Mulher, porque me dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou", perguntar ao invés: Preferem tinto ou branco? O tinto de Reguengos com 14,5º fica-vos a 6€ o Litro. 

Perante estas esperançosas mensagens, deixo-vos com a da Coca-cola:

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Animalidades - Paranóias Psicoticas ou Crueldade em estado puro?

Passados 2 meses, o choque obrigou-me a voltar a escrever. Corro no entanto o risco de ter escolhido um título que é injusto, para os animais.

Acabamos de ser confrontados com duas das mais macabras notícias dos últimos tempos:
Bastien morreu numa máquina de lavar em que o pai o terá colocado como castigo.
Resumidamente, o menino de 3 anos terá estragado um desenho na escola, pelo que o Pai, uma vez mais (segundo a Irmã de 5 anos, este 'castigo' já tinha sucedido antes) o terá colocado dentro da máquina de lavar, accionando de seguida o programa de secagem.
Primeira pergunta que me assola:
Por mais tarado, violento ou psicótico que seja o Pai, que mãe permite que façam isto a sua prole, sem lutar até à morte?
Segunda pergunta que me consome e decerto a todos os que têm filhos:
Mas porque razão é que os desequilíbrios psicológicos não lhe deram antes, para este sádico animal cobarde, enfiar a sua perturbada cabecinha cruel na frente do TGV?
Médicos declaram Breivik demente e inimputável
Quanto a Breivik, Psiquiatras nomeados pelo tribunal concluíram que o autor confesso do massacre de dezenas de pessoas na Noruega, em Julho, é demente e inimputável.
Primeira pergunta que me ocorre:
Como é que alguém demente e inimputável escolhendo timings precisos, é capaz de elaborar com anos de antecedência e aplicar friamente um plano astuto ao pormenor, comprando armas e munições por essa Europa fora, e ainda gravar uma declaração prévia sobre a planeada matança desenfreada e aleatória?
Segunda pergunta que me passa pela cabeça:
Não estariam alguns Pais, Maridos, Irmãos ou outros, cujos inocentes familiares morreram às mãos deste 'doente', na disposição de lhe acabar com o 'sofrimento'? Aos bocadinhos? Devagar para ele sentir a 'cura' em todo lado? Só me lembro da cena da cave no Pulp Fiction...
Depois da criança Chinesa que foi atropelada e literalmente abandonada por várias pessoas que por ela passaram, estes dois exemplos revelam não apenas uma ausência de valores éticos ou morais mas sobretudo o recrudescimento de comportamentos de animalidade primária.
Revelando maturidade civilizacional, a pena de morte foi abolida na maioria dos Países. Pois bem, talvez esteja na hora da Sociedade rever o seu Direito Criminal, já que ele há doenças, cujo controlo só ‘lá vai’, com sucessivas sessões de Quimioterapia.


terça-feira, 20 de setembro de 2011

Jardinismo - A Chulice Orgulhosa

Actualmente só não vai à Madeira quem não quer. A EasyJet vende bilhetes de Lisboa para o Funchal por um preço indecente: 16,99€. 2 Horas mais tarde já está com os ‘pezinhos de molho’ na pérola do Atlântico. Por oposição, um bilhete de Autocarro (Expresso) de Lisboa para Bragança custa 20€ mas 'apenas' 6,5 horas mais tarde, já pode começar a tiritar de frio.

Temos aqui um pequeno exemplo dos custos da insularidade. Outro exemplo auto-explicativo é o custo do Gasóleo. No Funchal o litro custa 1,354€, mas já em Beja é preciso gastar 1,419€.   Fonte: http://www.sbn.pt/Default.aspx?tabid=860

Porquê? É senso comum que a Madeira é lá para baixo. Os comandantes dos navios, assim que saem da refinaria em Sines, desligam os motores e deixam-se ir. Já para ir de Sines a Beja, é preciso atravessar o Alentejo numa caloraça brutal. Só nos A/C dos camiões a Galp tem um custo que é para cima de um dinheirão…
Aqui 'á atrasado', parafraseando uma colega minha de Aveiro, a Galp pôs-se com gracinhas estúpidas em relação aos aumentos de combustível na Madeira. Se quiser saber os pormenores, leia a notícia e descubra como a aplicação do Jardinismo é brutal (leia-se á bruta).   http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=973805
O Império, a Metrópole, as Empresas coloniais ou qualquer outra organização que não ‘contribua voluntariamente’ para o bem-estar insular, não passa de uma cambada de bastardos, vermelhos, rosas ou laranjas cubanas.      Pobre e mal-agradecido.  Escarra no prato da sopa que come .

Este complexo de Édipo na verdade não difere muito dos complexos de alguns ditadores Africanos os quais apelam frequentemente a união da populaça em torno de um inimigo comum. Ah mas é muito diferente, dirão alguns: O Jardim não apela á revolta nem coloca os seus familiares e amigos no controle da ilha. Quem é que pensam que ele é? O Fidel?
Se estave distraído, veja a estrutura do poder na madeira publicada pelo Expresso em 2009:



Nos anos 80, não havia emigrante Português em França que não voltasse a ‘santa-terrinha’ ao volante de um exuberante Mercedes ou BMW que atestasse o seu sucesso além-fronteiras. Podia trabalhar na recolha do lixo em Paris, mas a coisa tinha que dar para o aluguer de um carro prás férias… Sapatos furados mas ‘orgulhosamente chulos’…
Jardim fura há anos dezenas de kms a dezenas de milhares de Euros o Km. Construiu escolas com excelentes pavilhões desportivos em tudo quanto é freguesia por mais recôndita na serra que ela se encontre. Postos médicos, bibliotecas e toda uma parafernália de equipamentos sociais, que só quem não estiver na disposição de gastar 34€ na viagem, é que não vê.
Este semana parece que afinal alguém tirou um coelhinho branco da Cartola e ‘descobriu’ que o benfeitor de toda uma população pobre e desamparada, passou o tempo a esconder as contas debaixo do travesseiro. Ainda zurziu: «Se eu lhes contasse, paravam logo de mandar para cá o dinheiro. Quer dizer, eles lá na Metrópole podiam estourá-lo como entendessem e nós aqui ficávamos a vê-los passar?»

Aguentem-se, porque o Jardinismo Histérico e sua Chulice Orgulhosa, ao contrário dos vossos subsídios de natal: é completamente intocável!

video




sábado, 23 de julho de 2011

Whinehouse – «Estinto fatal»

As economias Colombiana e Escocesa estão hoje de luto. Trata-se de uma perda aparentemente irreparável, já que se estima que a sua contribuição para o PIB destes países andasse na ordem dos 10%.

Amy deixou um legado. Como aconteceu com Michael Jackson que provou ser possível alguém conservar-se em oxigénio dormindo em câmaras hiperbáricas ou então na mesma cama com 3 adolescentes, também Amy provou se possível a conservação em álcool.

Tinha uma longa perspectiva pela frente apesar desta se apresentar por vezes bastante turva e enublada.

Aliás, neste momento pondera-se mesmo em Inglaterra, um referendo que permita a alteração da lei relativa às cremações. Tendo a cantora deixado claramente expresso que desejaria ver os seus restos mortais cremados, estima-se que os mesmos possam arder durante aproximadamente 36 meses, rivalizando com a tocha olímpica dos Jogos de Londres 2012.

Na Internet, curiosamente tinha sido criado o site http://www.whenwillamywinehousedie.com/ cujo objectivo era adivinhar a data precisa em que a Amy iria quinar, ou como diz um amigo meu: começar a comer as alfaces pelo caule. Não, o prémio não era uma caixa de Chivas mas sim um iPOD Touch.

A expectativa era portanto muito elevada e mais uma vez Amy não desapontou. Coleccionadora de 5 Grammys, havia noites que lhe parecia ver alinhadas 7 estatuetas. Entornava charme por onde passava chegando a deixar zonzos de emoção os apreciadores dos seus hits. Apesar de ser dona de uma voz portentosa, ficará igualmente na história pela sua frequente falta de memória para as letras.

Na minha modesta opinião, Amy pertencerá aquele grupo restrito de pessoas que nunca desaparecerão.

Ao invés da referida cremação, que no mínimo contribuiria com um aumento de 2 graus na temperatura mundial através do impacto dos gases no efeito de estufa, sugiro antes que a Vista Alegre produza um frasco á sua altura. Este deverá ser enchido com aguardente de medronho, permitindo a Amy uma vez lá dentro, gozar plenamente o prazer da imortalidade.   


sábado, 4 de junho de 2011

Troca de 1 voto por 10€ em senhas Ticket Restaurant

Terminou a festa vazia da campanha e pré-campanha eleitoral. Vazia de ideias, vazia de conteúdos, vazia de valores, vazia de compromissos, vazia de políticos com mérito, competência e honestidade.

Festa vazia, mas cheia de políticos agarrados ao poder como lapas às rochas da Ericeira. Cheia de políticos com ambições de o alcançar a preços diversos: Apelos à ‘mudança’ sem saber exactamente mudar para o quê, acusações mútuas infantis: «a culpa é tua que me tiraste o brinquedo do poder quando era minha vez de brincar, não é nada foste tu, tu é que não sabes brincar»; «a minha é maior que tua, não é nada, a minha é a maior do mundo»; e quiçá talvez a melhor de todas «ainda está para nascer um primeiro-ministro que domine o deficit melhor do que eu».  

Ao comentar frivolamente este tema com amigos, facilmente percebi que está tudo sem saber o que fazer. Não há um único candidato que inspire confiança, capacidade e competência para nos tirar do buraco. O modelo ‘democrático’ foi completamente partidarizado, criando esta alternância de incompetência.

Chegam ao ponto de sugerir que, mal por mal, se vote antes no Tiririca Coelho Madeirense. 

Enfim, a falência deste modelo está bem espelhada no desinteresse abstencionista com que tal corja nacional é consecutivamente brindada. Um dia destes: laranjas, rosas, azuis e vermelhos ainda se lembrarão de criar uma empreendedora promoção do tipo:

Troca de 1 voto por 10€ em senhas Ticket Restaurant.

Estamos todos cansados.
Eles, cansados de fazerem 350kms por dia, de beijarem 269 velhinhas e bebés de colo, de sentirem o aperto das calorosas arruadas e de se desviarem dos ovos.

Nós, das caras deles, dos discursos deles, dos frente-a-frente e dos figurantes Africanos e Indianos a quem eles pagaram para povoar os seus comícios e arruadas. Desta vez, até o tribunal de Oeiras resolveu ajudar á festa, criando a liga dos últimos. Até com esses tivemos que levar em horário nobre!





Finalmente, algum merecido descanso. Tratemos pois de retemperar energias para o que aí vem e com o qual quase todos eles heróicamente, preferiram não nos preocupar por antecipação.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Dominique Strauss - Similitudinário de Renato Seabra

Eles estavam ambos próximos do topo. Tão próximos, que agora até já pernoitam no mesmo estabelecimento – Rikers Island.

O estabelecimento fica numa ilha no meio do rio East, entre Queens e o Bronx, e é o maior complexo prisional de Nova Iorque: tem 14 mil presos, 7 mil guardas e 1500 civis. Uma proporção de 1 guarda prisional para cada 2 hóspedes do estabelecimento – um verdadeiro luxo, com serviços completos, um verdadeiro resort no centro de NY.

As similaridades entre esta parelha são imensas. Ambos estão habituados a suites de 2000$, embora um prefira o Intercontinental e o outro o Sofitel. Os dois usam e abusam de objectos pontiagudos e curiosamente apontam ambos aos olhos.

Não hesitam em usar a violência para atingir os seus objectivos. Dizem os diagnósticos dos peritos, que sofrem ambos de ‘patologias’:
"Perturbação da personalidade", "vício do sexo" e "descompensação psicótica”.
No outro extremo do espectro, poderá até tratar-se de uma "sobreinterpretação dos gestos da vítima numa situação ambígua".

Quer isto dizer que, de acordo com os diagnósticos psiquiátricos, quer no caso de Carlitos, quer no caso da Guineense de 32 anos alegadamente abusada por Dominique (apelido pelo qual Carlitos curiosamente, também respondia na intimidade) pode ter havido um gesto, uma inclinação, um olhar fortuito que fez despoletar a tal patologia.

Esta ‘junta’ que é interveniente nos 2 mais alardeados sex-scandals nova-yorquinos, apenas sucumbiu aquilo que qualquer um de nós mortais está igualmente sujeito.

Por exemplo, uma libidinosa inclinação de uma colega a recarregar papel na gaveta inferior da fotocopiadora, pode despoletar uma “sobreinterpretação do gesto numa situação ambígua” capaz de gerar como reação a alguma "descompensação psicótica" uma valente 'chapada nas trombas'...

Claro que se a situação incluir uma cama e um hotel de luxo, a possibilidade de sobreinterpretação excede em muito a capacidade de resistência patológica.

Enfim, um estava a caminho do estrelato no mundo da moda acolitado por um guru conhecido pelos seus gestos profundamente ambíguos, ao passo que o outro conhecido pelos seus juros ambíguos estava já lançado como director do FMI a caminho de uma promissora carreira como Presidente Francês.

Consola o facto de se saber, que apesar da descompensação a que ambos foram sujeitos, tiveram o sangue-frio de se lavarem, vestirem e abandonarem os hotéis onde foram vítimas das respectivas “sobreinterpretações”.

Pensar profundamente nisto, inflige no comum dos mortais um sentimento de pena, dó e no caso dos mais sensíveis até compaixão – coitaditos. No meu caso particular entristece-me o facto de ambos estarem segregados da restante população do referido estabelecimento.

Considero mesmo que essa decisão é uma discriminação inexplicável, que retira a ambos, a possibilidade duma integração profunda, na comunidade em que estão inseridos. Estou mesmo convencido que entre os outros 13998 residentes, decerto alguns haveria, capazes de voluntariamente lhe “sobreinterpertar algum gesto resultante de alguma situação mais ambígua” fosse no duche ou no remanso da suite de 3x4.

Era da maneira que ficavam com a “descompensação psicótica” de tal maneira corrigida, que tão depressa não voltariam a sentar-se para contemplar “sobreinterpertações de ambiguidades”.



http://publico.pt/1507874


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Cofidis- Alternativa enérgica ao FMI!

A maioria de nós já recorreu ao crédito. É normal, não vem mal ao mundo por isso. No entanto algumas pessoas vivem e sobrevivem apenas disso – viver a crédito.

Já a facilidade com que a banca, nos últimos anos distribuiu cartões de crédito e plafons gigantescos a quem sobrevive de salários pouco mais que mínimos - foi uma atitude criminosa.
Exemplo: há dois anos recebi um cartão Light do Santander que estava domiciliado numa conta que encerrei há 20 anos. Porque? Eu nem sequer o pedi, foi o banco na sua infinita e generosa bondade, que mo ofereceu. (Aposto que o gerente ainda hoje se lembra do episódio da minha devolução do cartão)

Discute-se agora que «ah e tal, é uma questão cultural». Cultural mas é o camandro ou o catano ou lá o que é!

Há 5 anos uma casa valia 85.000€ e custava 100.000€. O banco avaliava em 140.000€ para emprestar 126.000€ (a pessoa não ia agora mudar para uma casa nova, sem mudar a mobília e comprar um Clio ou um Fiesta a gásoil, para parquear em cima do passeio do prédio).

A taxa de esforço já passava dos 50%? E qual é o problema? O seu tio reformado não pode ser fiador? Tão fácil como coleccionar 2,3 ou 4,5 cartões de crédito (aliás ia-se a qualquer shopping e trazia-se um Citygroup ou um Barclays ‘na boiiiiinha’).

E como uma brilhante bolha de sabão, o consumo cresceu, cresceu, até que os mais cautelosos perceberam que não podiam andar a viver permanentemente do plafond do cartão do mês seguinte. Taxas de juro usurárias de 18% a 27% rebentaram (puf) com subsídios de férias e de natal…

Já os mais distraídos, entraram em loop e foram ‘queimando cartões’. Quando estouravam um, passavam ao seguinte e assim sucessivamente. Esgotados os cartões passaram ao ataque dos empréstimos pessoais:

Cofidis – energia para viver!

CapitalMais – Viva os seus sonhos…

Cetelem – O crédito sem mas nem meio mas.

O que têm em comum todas estas empresas? Prometem crédito imediato, sem burocracias. Apenas têm um ligeiro senão: praticam taxas entre os 11% e os 28%. São produtos indicados preferencialmente para quem, na banca ‘normal’ já está completamente ‘plastifidido’.



Ao ver o valor a que chegaram hoje taxas de juro da divida Portuguesa no mercado secundário: entre 9% e 11,5% (consoante o prazo) ocorreu-me isto:

4ªFeira (hoje) vamos pedir um empréstimo de 1000 milhões de Euros. Não é muito. É apenas para as despesas correntes: Salários e pensões, devolver o IRS á malta e para meter gásoil nos BMW novos da frota que compramos o ano passado para a AR.

Afinal o FMI e Bruxelas, estão neste momento a estudar o processo do empréstimo que pedimos de 85.000 milhões. Só de comissão de estudo de processo devemos pagar para cima de uma fortuna…

Fiz duas vezes a operação na calculadora e conclui que cada um dos 10 milhões de Portugueses está a pedir ao FMI 8.500€. (No meu caso estou lixado, porque com três miúdos mais a minha esposa isto representa só cá em casa 42.500€) Eu até já lhe perguntei: Olha lá, mas onde raio é nós gastamos este dinheiro do empréstimo?



Amigo José Sócrates: Se não te emprestarem o dinheiro, como parece ser a vontade de meia-dúzia de Finlandeses, não te preocupes: A Cofidis – dá-te energia para viver!

Se ainda estás indeciso em comprar a tal pista de comboios eléctrica com que sonhaste (já sei, mesmo teso, já deste sinal porque estavas convencido que por conheceres o dono da loja, ele te devolvia umas senhas de gasóil para usares na campanha eleitoral) não desistas: CapitalMais – Viva os seus sonhos…

No caso, da troika começar com ‘ah e tal a gente empresta mas e a tua credibilidade, mas e onde é que tu tiraste o curso’ carga nisso pá: Cetelem – O crédito sem mas nem meio mas.


segunda-feira, 11 de abril de 2011

Premiar a incompetência é o mesmo que aplicar um simplex á incoerência!

Depois de um fim de semana de intoxicação politica televisiva, recebi esta pérola que sintetiza a razão da pesada vergonha que eu sinto em relação á classe politica 'dirigente' nacional.  

Pedir desculpa não é sinal de fraqueza mas sim de coragem que falta a muitos. Quem de forma pública e voluntária alardeia os argumentos compilados no vídeo anexo, no mínimo devia retratar-se.
Isso claro se tivesse vergonha na cara, o que não é obviamente o caso.

Na nossa vida privada, se conhecesse-mos um 'pinta destes' diríamos claramente tratar-se de um 'tratante':

1. Que ou quem trata ardilosamente de qualquer coisa ou que procede com fraude e velhacaria. = malandro, velhaco s. m.
2. Ant. Negociante.
3. Deprec. Negociante pouco escrupuloso. = trapaceiro

Razão têm os Brasileiros quando dizem que:

                       «malandro não desiste, muda de esquina...»

video


'Já que não falam', pelo menos escutem como de forma gratuita se vomita esta verborreia arrogante e irresponsável, expoente máximo da incoerência nacional.

Este cata-vento denota uma bipolaridade que a psicanálise explica e que a Psiquiatria já é felizmente capaz de tratar.
De manhã quer, á tarde já não lhe apetece e á noite tem ódio sequer de ouvir falar nisso..

«O pior que nos pode acontecer é mudarmos de plano á 1ª...» 
  José Sócras

Pergunta: O que fará as massas cegarem, a ponto de negarem o que os seus olhos e ouvidos constatam? Será o Carisma? A Idolatria ao líder? Força Zé, que estamos contigo na pobreza e na miséria?

Eu pessoalmente não confiava nele, nem sequer para arrumador. Não porque o considere desonesto, nem por ter medo que me riscasse o carro, mas porque felizmente tenho sensores de estacionamento. 

Premiar a incompetência é o mesmo que aplicar um simplex á incoerência!

terça-feira, 5 de abril de 2011

Tubarões Brancos Económicos...

Tanto na caça como nos outros aspectos da sua vida, o tubarão branco costuma ser bastante solitário. Ocasionalmente vêem-se parelhas, deslocando-se em busca de alimento.

Os tubarões brancos consomem grandes quantidades de objectos flutuantes por engano. Nos seus estômagos já se encontraram matrículas de automóvel - daí serem económicos: papam tudo...
Acabaram de ser conhecidas duas descidas adicionais no rating de Portugal, efectuadas por dois conhecidos tubarões brancos do pantanoso panorama financeiro-oceanográfico mundial: Fitch e Standard&Poor's.
Hoje, os juros sobre obrigações do Tesouro agravam-se em todos os prazos, com excepção para as OT a 30 anos. A 'yield' sobre OT nacionais a 5 anos estava nesta altura a negociar nos 9,926%, um novo máximo de sempre, na primeira sessão após o anúncio de que a agência de notação financeira Fitch cortou em três níveis o 'rating' de Portugal. A avaliação da dívida do País está agora a um nível de 'junk'. O corte da avaliação da Fitch sucedeu os dois 'downgrades' feitos pela Standard&Poor's em apenas cinco dias, após a demissão do timoneiro da barca - José Sócrates.
Tudo isto, na mesma 2ªFeira em que o Banco Central Europeu (BCE) anunciou que voltou a não comprar títulos de dívida pública dos países da zona euro na semana passada.

Até para nós cépticos e financeiramente incultos, a imagem que fica é a de Trichet na sua alta e poderosa torre de vigia de praia, trajado com uma curtíssima tanga laranja, sentado na espreguiçadeira com os seus óculos escuros espelhados, mirando o horizonte onde se avistam 2 tubarões brancos a rondar um banhista indefeso que acabou de cair do 'colchão-de-ar'.
Acarícia uma daquelas bóias de salvação que antes só se viam no BayWatch  e que agora já se avistam em qualquer praia da costa da Caparica. Pensa em atirar-se á água, mas ao mesmo tempo pensa egoístamente para si mesmo:
- Mas quem é que os manda ir á água precisamente quando estão a fazer a digestão? Lá porque vêm para a mesma praia que nós - Europeus, já acham que podem comer fiado no ‘chiringuito’ e ir a correr dar uns mergulhos?  
- Ainda a semana passada aquele maluco ali, que agora braceja e grita pelo nadador salvador, estava de volta de uma Imperial e de um pires de tremoços a negociar um comboio novo para vir prá praia…

Os mercados continuam a posicionar-se para uma eventual subida da taxa de juro na zona euro já esta semana. O conselho de governadores do BCE reúne-se esta quinta-feira e os economistas antecipam que os juros vão subir em 25 pontos base para 1,25%. Será, a confirmar-se, a primeira mexida desde Maio de 2009.
Para poder capturar os grandes mamíferos que constituem a base da sua dieta dos adultos, os tubarões brancos recorrem á emboscada: colocam-se a vários metros por baixo da presa, que nada na superfície ou perto dela, usando a cor escura de seu dorso como camuflagem com o fundo, tornando-se assim, invisíveis para as suas vítimas.
Quando chega o momento de atacar, avançam rapidamente para cima, com potentes movimentos do colo e abre as mandíbulas. O impacto costuma chegar ao ventre, onde o tubarão aferra fortemente a vítima: se esta é pequena, mata-a no acto e posteriormente engole-a inteira. Se é maior, arranca um grande pedaço da mesma, que ingere inteiro, já que os seus dentes não lhe permitem mastigar. A presa pode morrer imediatamente ou ficar moribunda, e o tubarão voltará a alimentar-se dela, arrancando um pedaço atrás de outro. Excitados pela presença de sangue, a zona encher-se-á de tubarões.

Os preços do petróleo atingiram esta segunda-feira, novos máximos tanto em Nova Iorque como em Londres, onde o barril de crude ultrapassou os 120 dólares pela primeira vez desde Agosto de 2008.

O náufrago apresenta já 4 feridas expostas, que estão a atrair gulosamente os predadores.
1.    Petróleo a 120 Dólares (para já), que conduzirá inevitavelmente ao incremento dos preços da energia: Electricidade (sabe-se lá se não foi isto que originou o apagão no estádio da Luz, como diz Jesus: eu nem sou electricista) Diesel e demais bens essenciais e consequentemente a inflação.

2.    Empréstimos á habitação mais caros que resultam de taxas Euribor superiores.

3.    Redução de salários, Sub de férias e de natal, prestações sociais, reembolsos de IRS entre outras fontes de rendimento familiar – Redução da despesa sempre do lado mais rápido e fácil.

4.    Last but not least: Agravamento generalizado da carga fiscal de modo a subir a receita fiscal e a ‘economia paralela’.  


Podem tirar-se as conclusões que se quiser, mas esta foi das melhores que encontrei:

Dois enormes tubarões brancos observavam os sobreviventes dum naufrágio. 
- Segue-me filho - disse o tubarão pai.                       
E nadaram até aos náufragos.                                                 
- Primeiro vamos nadar em volta deles, apenas com a ponta das barbatanas a aparecer fora de água.                                       
E assim fizeram.                                                     
- Muito bem, filho! Agora vamos nadar em redor deles, algumas vezes, com as barbatanas completamente de fora.                                     
Dito e feito.
- Agora podemos comê-los a todos.                                      
Quando finalmente se saciaram, o filho perguntou:                         
- Pai, porque é que nós não os comemos logo no início? Por que é que ficámos a nadar várias vezes em redor deles?                                     
O sábio e experiente pai respondeu então:                                       
- Porque ficam muito mais saborosos sem a merda lá dentro...  


Estou certo que quando os 2 tubarões brancos forem caçados, se irá perceber que no estômago tinham por engano, além de 2 «Magalhães», 4 placas de matricula com a seguinte gravação:
Lehman Brothers (made in Cucujães). 






Fonte: Diário Económico

sábado, 12 de março de 2011

«Geração á rasca» vai arrasar no País dos Credores...



Depois do movimento espontâneo desta tarde, e do inesperado sucesso da canção vencedora do festival 2011, deixo-vos aqui o vídeo do momento:




O sec XXI vem surpreender pelo poder que as novas tecnologias exercem sobre a sociedade. Twitter e facebook são poderosas ferramentas que aglutinam vontades mas também servem de rastilho no incendiar das massas.

Basta que exista na base o 'combustivel' necessário e a coisa pega com mais força que 'mato seco no verão'.

O caso dos países árabes, é disto o exemplo mais paradigmático. (Este poder até o Vaticano já começou a explorar)

Em particular na Lusitana pátria, a completa inexistencia de perspectivas de futuro, facto que convive com a actual geração 'rasca' de forma tão incómoda como a dita geração de 25-35 anos convive ainda nas casas paternas, conduzirá mais cedo ou mais tarde a um incêndio de porporções tais que não haverá 'meio-aéreos' que nos valham.

Pergunta: Se a actual geração dirigente gasta todos os anos mais do que recebe o que resulta em deficits consecutivos, será esta «geração á rasca» quem será capaz de criar 'superavits' que suportem tudo o que estamos a gastar a mais?

Admirados ficarão os Alemães quando os filhos da luta começarem a cantar...









sábado, 5 de março de 2011

José & Angela

Eram 5 e meia da tarde. José olhava vagamente pela janela palaciana reflectindo em como engendrar maneira de (re)endrominar com sucesso este mundo e metade do outro. Tinha na mão esquerda, uma torrada aparada com pouca manteiga, na outra, a caneca da sorte «rosa choque» a fumegar ainda uma efusão dum misto de ervas calmantes (cidreira e chamon).

Suspirava repetidamente na sua solidão, a tão famosa solidão do poder, quando sentiu soltar-se inadvertidamente um brusco: «poças pá, tá tudo contra mim!»

Qual ‘homem do leme’, José não é de baixar os braços! 'Malandro não desiste - muda de esquina'. Pousando languidamente a caneca, estendeu o braço na direcção do assessor nº6, um rapaz alto de ar muito inteligente, por sinal filho de um amigo quadro do partido – conhecido como o próximo CR7 do PS, e sussurrou-lhe: «Oh CR7: Chame-me aí o Teixeira dos Santos».

Passava um pouco das 18h30 quando, de faces ainda rosadas e completamente esbaforido, entrou na sala palaciana, o Teixeira. «Engenheiro: Tamos lixados! A estranja não desce o raio dos juros pá, o Trichet já tem a mão no botão, e a mim já se me acabaram as ideias endrominatórias.»

Socras, Socas ou Socráste - o apelido pouco importa, sorriu-lhe com aquele olhar luminoso de quem acaba de imaginar a forma de ‘sacar cabelos de um careca’, ‘fazer omeletas sem ovos’ ou mesmo ‘enfiar o Rossio na rua da Betesga’. «Olha lá Teixeira: a Angela quando veio cá a Lisboa, ali á Expo, não disse que quando quiséssemos ir lanchar lá a Berlim, que bastava dar-lhe um toque pró telemóvel ou mandar-lhe um SMS?» «Na brincadeira eu até lhe disse: tudo bem, tu dás as bolas ’de Berlim’, que eu levo-te uns travesseiros ‘de Sintra’. Não te lembras Teixeira???»

Era uma ideia simplesmente bem esgalhada. A coisa era anunciada ao mundo como um encontro bilateral, necessário ao ‘bem maior’ do entendimento entre dois parceiros fundamentais da zona Euro e voilá. A outra metade do mundo assistiria boquiaberta a como José e Ângela eram assim do tipo unha e carne, para não dizer cara e coroa, claro. Seria algo do tipo daqueles putos na escola, com óculos grossos e cara de nerds, que ao começarem a andar com o grupo dos rufias, passam imediatamente a granjear o respeito de metade da escola.

«Afinal nós somos Europeus, Teixeira. Também temos o mesmo direito dos outros em ter um TGV e um aeroporto novo, ou não? Agora que esses gajos do BE decidiram pôr-me a cabeça a prémio, não nos convinha nada ficar sem o apoio da mãozinha… Tu fazes ideia do numero de pessoas amigas de quem o sustento depende mim? Ah pois é… »

E lá foram. Teixeira baldou-se a uma marcação na AR, mas também first things first.


A Ângela ficou tão contente de os ter lá, que no final até acedeu a vir a público ao lado de José. (assim como assim, Jesus Cristo também foi pregado ao lado de 2 malfeitores).

Não se percebeu muito bem o que ela disse, mas foi qualquer coisa como:

 «Portugal foi muito corrajoso em darr uma rripada de 10% nos salárrios de ‘quase’ todos os funcionárrios públicos. Gostei muito desta ideia do José de venderr os imóveis do estado que já estão amorrtizados e pagos, porr meia dúzia de milhões de Eurros a uma parrticipada da CGD, para depois os alugarr por milharres de Eurros mensalmente –  Excelente ideia crriativa para gerrarr rreceita extrraordinárria(este ano clarro).

Quase tão boa como os trravesseirros que me trouxerram… são tão querridos»



Já no avião, José confessava para Teixeira enquanto mordiscava uma bretzel :



«Eu bem lhe pedi que nos orientasse uns trocos, mas ela disse que por princípio não dava moedas aos arrumadores.
Poça pá! Tá tudo contra mim! Mas eu não desisto e até vou adicioná-la no Facebook! .

José & Angela Best friends forever





 

 


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O Silêncio dos Inocentes


Esta semana voltei a acreditar na raça humana. Descobri que por mais hediondo que seja o crime ou o pecado cometido, há sempre a possibilidade de existir um mal-entendido, um pequeno equívoco ou qualquer outra inocente razão que o legaliza e/ou justifica.

Ouvimos esta semana Carlos Silvino afirmar que é inocente. Descobriu-se que lhe puseram umas 'coisas na água'. Que nunca gostou de miúdos, nem sequer na canja. Que nunca levou rapazes nem a Elvas, nem a consultórios médicos ou de advogados, nem a garagens, nem á feira-popular, nem a parte nenhuma.


Ora a novidade é que ‘Bibi’, foi agora inocentemente entrevistado por um arguto jornalista que na sua busca incessante pela verdade, não se convenceu nem se deixou impressionar perante os resultados de um total de 461 sessões de julgamento, 920 testemunhas e 32 alegadas vitimas.


O dito jornalista, curiosamente também de nome próprio CARLOS, tal qual como Silvino, ou Cruz tinha já perfilado a sua inocente isenção ao escrever em conjunto com a esposa de Cruz «As grades do sofrimento».

Temos pois de uma só assentada, uma trilogia: 3 Carlos inocentes. Um dogma quase tão perfeito como o da santíssima trindade!

Abrantes, Marçal, Dinis, Ritto, transformaram-se com esta confissão conscientemente voluntária e desinteressada de Silvino, em outros tantos 4 inocentes. Revolta até saber, que um homem pode apanhar 18 anos de cadeia, mesmo depois de colaborar com a justiça, bebendo goles e goles de água em 5 anos e 461 sessões contínuas de julgamento.



Junta-se a estes 7 inocentes nesta semana, aquele que faria corar de vergonha a personagem principal do filme que dá título a este Post. Comparado com Renato Seabra, Hannibal Lector era um inocente.

O rapaz está inocente, facto que é clarinho como a água do Trancão e para o qual aliás, eu já tinha alertado no meu post anterior.

Vingativo como era conhecido CCastro, ele era ‘homem’ para se ter desarrolhado a ele próprio, ter-se enfiado com uns encontrões nos móveis do Hilton, acabando com uma valente cabeçada no LCD. Tudo com o objectivo de colocar as culpas no inocente acólito rapaz!



Guardei para o final, aquela que me parece ser a maior pérola deste «Silêncio do Inocentes» - O financiamento das eleições Presidenciais.


O estado atribui a esta campanha €3,83 milhões para torrar em sacos plásticos, broches autocolantes para colar ao peito, outdoors, assessorias de imagem, almoços, jantares, deslocações etc.

4,3% (191.000) dos votantes votaram em branco. 1,93% (86.000) votaram nulo, chamando-lhes chupistas e outros mimos e 53,37% nem sequer se atreveram a sair do quentinho da Maison, que o Domingo estava frio como o ‘camandro’. Nos Açores ainda devia estar mais frio, porque 68,9% não puseram os 'butes' nas urnas! 'Apenas' 2 em cada 3…

Uma conta simples: €3,83Mio / 4.492.297 votantes =  €0,85/Votante 
ou melhor ainda:   €3,83Mio / 5.587.300 Pop activa = €0,685/ Habitante activo.
Em sacos Plásticos?

Dizem os técnicos, que apesar de tudo não é fácil traçar o perfil do abstencionista. Mas será esta, uma forma de (de)monstrar o «Silêncio do Inocentes»? Não será decerto, porque mais ano menos ano, todos os inocentes serão obrigados e ir lá…

Pelo menos como concluiu o pai de um colega meu, de todos o melhor foi mesmo ter-se eleito o cavaco. Não por razões ideológicas, partidárias ou de princípio, mas porque o homem, graças a nova legislação teve que optar por prescindir do salário de PR (€6.523) em prole das duas reformazitas de €10.000. Vamos poupar €6.523*60 meses = €391.380.

Quem é o inocente hã? Quem é?

P.S - Vamos lá ver agora, quanto tempo levam as «candidaturas» a retirar a poluição visual que nós inocentemente pagámos!...